quinta-feira, 10 de abril de 2008

PABLO NERUDA - Poema " Quem morre"

Se me perguntardes o porquê desta escolha, só vos posso dizer que hoje deparei-me com uma situaçao que me fez lembrar de imediato este poema...alguem, que eu conheço muitissimo bem, embrulhado num cobertor, de olhar vazio para o ecran da televisao numa daquelas estaçoes de informaçoes bolsistas...alguem, que eu já vira gerir centenas de pessoas, estava ali, sentado, com o pijama vestido, a barba por fazer, restos de comida num prato, uma garrafa de whisky menos de meia, alguem, que me estendeu a mão e abriu os meus horizontes e agora me suplicava companhia com aqueles olhos sem esperança....alguem, que se não é génio, está muito proximo disso, alguem k transforma as palavras em deliciosos sonetos...È para ti, meu amigo, que me lês, que sabes que a luz reside dentro de ti, que sabes que eu preciso de ti, este poema do nosso amigo Pablo Neruda, que tantas vezes o leste para multidoes e para mim naquelas noites de insonias e de agonia...


Morre lentamente,
quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente,
quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente,
quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajecto, quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma cor nova ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente,
quem faz da televisão o seu guru.
Morre lentamente,
quem evita uma paixão, quem prefere o negro sobre o branco, e os pontos sobre os iss em detrimento de um redemoinho de emoções, justamente o que resgata o brilho nos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente,
quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente,
quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva que cai incessante.
Morre lentamente,
quem abandona um projecto antes de iniciá-lo, não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não lhe responde quando lhe perguntam algo que não sabe.

Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples facto de respirar.
Somente a perseverança fará com que conquistemos um estágio esplêndido de felicidade.



Pablo Neruda era um poeta chileno, que viveu entre 1904 e 1973. O seu nome de baptismo é Neftalí Ricardo Reyes Basualto e só em 1946 adoptou oficialmente o pseudonimo Neruda. Entre os varios premios literarios distingue-se o Premio Nobel da Literatura em 1971 , atribuido quer pelas suas qualidades poeticas quer pela defesa da dignidade humana. Viveu exilado durante muitos anos por causa das suas actividades politicas contra o regime opressor do seu pais natal.Morre em Paris, amargurado com o golpe de estado vitorioso de Pinochet contra o governo de Salvador Allende.

Resumindo a sua obra literaria podemos dizer que se divide em 4 vertentes distintas:
  1. poemas de amor
  2. poesia voltada para a solidão e a depressão
  3. poesia épica e política
  4. poesia do quotidiano

7 comentários:

ana carolina disse...

Adoro Neruda... visitei uma de suas casas (hoje é museu), em Santiago-Chile, no ano passado.
O texto é lindo e faz pensar...

Gosto muito, também, deste seu "jorro de palavras" e eu é que agradeço por ter acesso a seu blog!
Você não acha que escrever é terapêutico?
bjs

Diana disse...

É lindo, há dias enviaram-me um email com este poema e imagens.Faz-me pensar em tanta coisa.Acabei por publicá-lo na minha página do hi5.
É sempre bom voltar a lê-lo.
Beijinhos

Nova biju disse...

Olá!
Venho convidar-te a conheceres o meu cantinho...espero a tua visita!!!
Beijo
Rute, nova biju

Nova biju disse...

Olá!
Venho convidar-te a conheceres o meu cantinho...espero a tua visita!!!
Beijo
Rute, nova biju

ana carolina disse...

este silêncio todo neste blog... sei não... acho que vem aí uma enxurrada de novos trabalhos e cores!
vou esperar pra conferir!
bjs

ana carolina disse...

Sao, você é uma querida!
sinto falta do seu jorro de palavras!
bjocas

Maria disse...

Namaste! Deixei um miminho para ti no meu blog :). Bjinhos